Evangelismo aula 02: Como prospectar o público alvo!

Treinamento para evangelistas
Pastor Luciano Batista

Esse mini curso de evangelismo tem como objetivo treinar e equipar os discípulos de Cristo para o campo missionário.
Vamos apresentar lições simples que podem aperfeiçoar seu ministério na obra apostólica.


Como prospectar o público alvo!

Prospecção é uma palavra com origem no latim prospectione que significa a ação de prospectar ou pesquisar. É um termo do âmbito da geologia, que é usado para descrever os métodos usados para descobrir os filões ou jazidas de uma mina.
Na geologia, a prospecção consiste em um conjunto de trabalhos geológicos e mineiros que têm como objetivo reconhecer o valor econômico de um jazigo ou de uma região mineira.

Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar? Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele, Dizendo: Este homem começou a edificar e não pôde acabar. Ou qual é o rei que, indo à guerra a pelejar contra outro rei, não se assenta primeiro a tomar conselho sobre se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil? De outra maneira, estando o outro ainda longe, manda embaixadores, e pede condições de paz. Lucas 14.28-32

Na aula de hoje quero ensinar aos irmãos sobre a importância de um plano de ação, claro e objetivo.
Vamos pautar nossa tabela de pesquisa dividindo em quatro partes, lembrando que organizavam e baseada em: Utilização, Nomenclatura, mestras claras e padronizadas.

I - Procurar pessoas que me conhecem e conhecem a igreja
Nesta primeira parte temos as seguintes pessoas.
  • Pessoas que eu já evangelizei e apresentei a igreja
  • Pessoas que já visitaram a igreja

II - Procurar pessoas que me conhece mas não conhecem a igreja
Nesta segunda parte temos as seguintes pessoas:
  • Meus parentes
  • Parentes de membros
  • Meus Vizinhos
  • Meus Colegas de trabalho
  • Meus Colega de escola ou clube

III - Procurar pessoas que não me conhece mas conhece a igreja
Nesta terceira parte temos as seguintes pessoas:
  • Pessoas indicadas pelos membros
  • Desviados

IV - Procurar pessoas que não conhecem nem a mim e nem a igreja.
Nesta quarta parte temos o público geral:
  • Chamados de visitas frias

Com um ambiente motivado e promissor estaremos prontos para enquadrar nosso plano de ação e assim poder delegar pessoas para suas tarefas.

Prospecção é uma palavra com origem no latim prospectione que significa a ação de prospectar ou pesquisar. É um termo do âmbito da geologia, que é usado para descrever os métodos usados para descobrir os filões ou jazidas de uma mina.
Na geologia, a prospecção consiste em um conjunto de trabalhos geológicos e mineiros que têm como objetivo reconhecer o valor econômico de um jazigo ou de uma região mineira.

Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar? Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele, Dizendo: Este homem começou a edificar e não pôde acabar. Ou qual é o rei que, indo à guerra a pelejar contra outro rei, não se assenta primeiro a tomar conselho sobre se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil? De outra maneira, estando o outro ainda longe, manda embaixadores, e pede condições de paz. Lucas 14.28-32

Na aula de hoje quero ensinar aos irmãos sobre a importância de um plano de ação, claro e objetivo.
Vamos pautar nossa tabela de pesquisa dividindo em quatro partes, lembrando que organizavam e baseada em: Utilização, Nomenclatura, mestras claras e padronizadas.

I - Procurar pessoas que me conhecem e conhecem a igreja
Nesta primeira parte temos as seguintes pessoas.
  • Pessoas que eu já evangelizei e apresentei a igreja
  • Pessoas que já visitaram a igreja

II - Procurar pessoas que me conhece mas não conhecem a igreja
Nesta segunda parte temos as seguintes pessoas:
  • Meus parentes
  • Parentes de membros
  • Meus Vizinhos
  • Meus Colegas de trabalho
  • Meus Colega de escola ou clube

III - Procurar pessoas que não me conhece mas conhece a igreja
Nesta terceira parte temos as seguintes pessoas:
  • Pessoas indicadas pelos membros
  • Desviados

IV - Procurar pessoas que não conhecem nem a mim e nem a igreja.
Nesta quarta parte temos o público geral:
  • Chamados de visitas frias

Com um ambiente motivado e promissor estaremos prontos para enquadrar nosso plano de ação e assim poder delegar pessoas para suas tarefas.

Evangelismo aula 01: Ambiente motivacional

Treinamento para evangelistas
Pastor Luciano Batista

Esse mini curso de evangelismo tem como objetivo treinar e equipar os discípulos de Cristo para o campo missionário.
Vamos apresentar lições simples que podem aperfeiçoar seu ministério na obra apostólica.

mas rejeita as fábulas profanas e de velhas.
Exercita-te a ti mesmo na piedade.
1 Timóteo 4.7

Ambiente motivacional:
O mestre do navio, pois, chegou-se a ele, e disse-lhe: Que estás
fazendo, ó tu que dormes? Levanta-te, clama ao teu deus;
talvez assim ele se lembre de nós, para que não pereçamos.
Jonas 1.6

Toda igreja missionária tem ambiente missionário, quando estamos em um ambiente que não corresponde às metas desejadas logo andamos sem sair do lugar.

Quando o Bispo não tem uma visão ampliada sobre Missões, ele acaba sufocando qualquer projeto que possa estar nascendo no coração dos demais. Pode o Bispo ter uma boa visão, mas se não tiver uma boa equipe logo sua visão se tornar obsoleta.

Com essa aula quero mudar o ambiente atual da igreja para o ambiente que motiva as nossas metas. Nosso ambiente de evangelismo não pode ser feito com base em nossas expectativas, mas nas expectativas do nosso público alvo. Vamos apontar quatro regras básicas.

I - Qual é a necessidade da humanidade?

Jonas era um tipo de evangelista que não concordava com o plano final de Deus, por achar que os Ninivitas não mereciam o perdão.

E orou ao Senhor, e disse: Ah! Senhor! Não foi esta minha palavra, estando ainda na minha terra? Por isso é que me preveni, fugindo para Társis, pois sabia que és Deus compassivo e misericordioso Jonas 4.2

A necessidade da humanidade é a mesma que a minha, assim como eu preciso do perdão e amor de Deus assim eles também precisam. Devemos ter em mente que estávamos pregando um Deus que ama sua criação e quer recuperar-la.

II - Quais são as metas de crescimento dentro da nossa equipe?

Jonas era um evangelista que tinha um espírito muito forte de egoísmo, onde tudo que era para o seu prazer era bênção e fora disso tudo era maldição.

Mas Deus enviou um verme, no dia seguinte ao subir da alva, o qual feriu a aboboreira, e esta se secou. E aconteceu que, aparecendo o sol, Deus mandou um vento calmoso oriental, e o sol feriu a cabeça de Jonas; e ele desmaiou, e desejou com toda a sua alma morrer, dizendo: Melhor me é morrer do que viver. Jonas 4.7,8

Devemos criar metas reais e desafiadoras.

III - Elogie e reconheça em público sempre que alguém alcançar ou superar as expectativas.

Mesmo sabendo Deus o espírito egoísta de Jonas, Deus fez questão de chama-lo e sendo um livro que narra a salvação de uma cidade que não é judaica, mostra o reconhecimento que Deus deu a esse profeta

E veio a palavra do SENHOR a Jonas, filho de Amitai, dizendo.
Jonas 1.1

IV - Ouça sua equipe sobre, mantenha todos envolvidos no projeto e sempre que possível use as ideias da equipe.

E orou Jonas ao SENHOR, seu Deus, das entranhas do peixe. E disse: Na minha angústia clamei ao Senhor, e ele me respondeu; do ventre do inferno gritei, e tu ouviste a minha voz. Jonas 2.1,2

Deus ouve a oração de Jonas e livra ele dá morte no ventre do grande Pai de, porém no capítulo 4 o Jonas pede a morte por não concordar com o plano de Deus.

Peço-te, pois, ó Senhor, tira-me a vida, porque melhor me
é morrer do que viver. Jonas 4.3

Mesmo que algumas ideias possa ser fraca para você, aplicar elas pode fortalecer o espírito participativo da equipe.


Primeira aula

Porque os apostólicos não usam aliança de casamento

Uso de aliança para noivado e casamento!
Professor Pastor Luciano Batista

Não defraudando, antes mostrando toda a boa lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus, nosso Salvador. Tito 2.10

Não vou ler todas as referencias mas quero deixar claro aos irmãos que estou ciente que a bíblia aponta para o costume de usar adornos em festas perincipalmente em casamento. Mas também quero apontar que sei seus costumes e simbolismos.
Como é comum no dia de hoje as joias são símbolos de ostentação e riquezas, sendo assim era comum presentear a moça com joias para garantir a seus pais sua capacidade de manter a filha como esposa.

O adorno pode ser usado com propósito bom ou enganoso. A palavra hebraica para “adorno” tem o sentido de “honra”. (1Cr 16.29; La 5.12)

As Escrituras recomendam altamente o adorno espiritual. O próprio Adonai é descrito como vestido de luz e cercado de beleza. (Sal 104.1,2; Ap 4.2,3)

Nos tempos bíblicos, o noivo e a noiva se adornavam para a festa de casamento. (Sal 45.13, 14; Is 52.1; 61.10; Je 31.4 Ez 16.10-19; Os 2.13.

Deste modo espiritual, a congregação cristã, a noiva de Cristo, surge por fim em toda a sua beleza diante do seu marido, Jesus Cristo. Ela é similarmente descrita em Apocalipse 21.2 como estando “preparada como noiva adornada para seu marido”. Sua beleza espiritual está em contraste direto com o adorno de Babilônia, a Grande, mencionada como adornada de coisas materiais, o salário de suas prostituições. — Ap 18.16.

Com essa base quero entrar agora no assunto oficial que é o uso da aliança:

A origem da palavra “aliança” tem raízes no Latim, seu significado é compor, acordo ou contrato!

O anel, aliança, surgiu entre os gregos e os romanos, tendo provavelmente por origem um costume hindu de usar um anel para simbolizar o casamento. Os romanos acreditavam que no quarto dedo da mão esquerda passava uma veia (vena amoris) que estava directamente ligada ao coração, costume culturalmente seguido até aos dias de hoje.

No início a aliança era tida como um certificado de propriedade da noiva, ou de compra da noiva, indicando que a mesma não estava mais disponível para outros pretendentes. A partir do século IX, a igreja cristã adaptou a aliança como um símbolo de união e fidelidade entre casais cristãos.

Muitas crenças nasceram então, como, por exemplo, o facto de os escoceses dizerem que a mulher que perde a aliança está condenada a perder o marido.

Na bíblia o sentido do anel e propriedade:
Gn 41.42; Dn 6.17; Et. 3.10; 8.2,8; Jr. 22.24; Ag. 2.23; Lc. 15.22

Os chamados cristão católicos começaram a usar aliança no ano de 860 pelo Papa Nicolau I, sendo então o uso de aliança para noivado e casamento considerado como simbolo católico de compromisso.

O pacto segundo a bíblia sempre foi feito com sangue e não com ouro:

Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, 1 Pd. 1.18-19

A relação oficializa o casamento: Gn. 24.67; Rt, 4.3; Mt. 1.25

Quando um homem tomar mulher e, depois de coabitar com ela, a desprezar, E lhe imputar coisas escandalosas, e contra ela divulgar má fama, dizendo: Tomei esta mulher, e me cheguei a ela, porém não a achei virgem; Então o pai da moça e sua mãe tomarão os sinais da virgindade da moça, e levá-los-ão aos anciãos da cidade, à porta; E o pai da moça dirá aos anciãos: Eu dei minha filha por mulher a este homem, porém ele a despreza; E eis que lhe imputou coisas escandalosas, dizendo: Não achei virgem a tua filha; porém eis aqui os sinais da virgindade de minha filha. E estenderão a roupa diante dos anciãos da cidade. Dt. 22.13-17

Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo, e os farei membros de uma meretriz? Não, por certo. Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne.
Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito. Fugi da fornicação. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que fornica peca contra o seu próprio corpo. 1 Co. 6.15-18

Alguns versículos sobre o uso do ouro para os apostólicos


Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos, Mateus 10.9

O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de jóias de ouro, na compostura dos vestidos; 1 Pedro 3.3

Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos, 1 Timóteo 2.9


Igreja Pentecostal Apostólica do Brasil

Inscreva-se em nosso canal


Estudos e pregações  Ao vivo

Inscreva-se e ative o sininho para ficar por dentro de tudo

Unicistas e o Natal?


Eu comemoro o Natal Cristão Romano?

por Pastor Luciano Batista

Primeiramente eu reconheço que nossa cultura religiosa sofreu e sobre a mistura religiosa com o paganismo em várias esferas e não apenas no Natal

Mas quero lembrar a todos que o aprendizado deve sempre moldar nossa forma de adoração a Deus

É bom lembrar que existe uma passagem que Jesus abordou o assunto adoração com uma mulher no poço de Jacó. Uma vez que o assunto era adoração (João, 4:20 - Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que em Jerusalém é o lugar onde se deve adorar)

Devemos observar a colocação de Jesus, após a sua afirmação de adoração a Deus (João, 4:22 - Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos; porque a salvação vem dos judeus)

Em outras palavras: Vocês fazem cultos (festas) sem conhecer o que se adora, mas nós Judeus conhecemos o objeto de culto (festa) antes mesmo de prestar culto (festas)

Se desejamos aproveitar o feriado do dia 25 de dezembro. Não precisamos comemorar uma festa que o objeto de culto é desconhecido, antes podemos aproveitar a comemoração da dedicação do templo que é chamada de festa de Hanuká

Os judeus não comemoram nem o Natal nem o Ano Novo nos “moldes” cristãos – apesar de reconhecerem que Jesus existiu. Para essa cultura, principalmente em Israel, a comemoração de fim de ano é o Hanuká, que significa festa das luzes em hebraico e lembram as vitórias contra a opressão, a discriminação e a perseguição religiosa.  A data marca a vitória dos judeus sobre os gregos há mais de dois mil anos, na batalha pela liberdade de seguir a sua religião.
A festa de Hanuká para os judeus começa no 25º dia do mês judaico de Kislev e dura oito noites. Em 2013, o início coincide com o dia 27 de dezembro.
A festa consagra a vitória dos judeus contra uma província grega que tentava impor o politeísmo. Segundo os crentes, para cada um dos dias é acesa uma vela até que todo o candelabro esteja aceso no último dia de festa. Também teria havido um milagre: o óleo para acender as velas do templo, que seria suficiente para apenas um dia, durou oito.
Na comemoração, peru e bacalhau são substituídos por panquecas de batata e bolinhos fritos em azeite. E em vez de desembrulharem presentes à meia-noite, as crianças recebem dinheiro.

Agora comemorar o Natal corremos o risco de afirmar uma mentira que o catolicismo vem usando como comércio religioso a muitos anos.

Convido você a comemorar o Hanuká como festa em sua vida (Uma vez que adoramos o Deus dos Judeus)
Esta festa funciona assim: A partir do dia 25 conta oito dias de festas consecutivas. Nestes dias você deve levar presentes ao templo (igreja) e também reunir a família em seu lar para agradecer a Deus por cada um deles e também não pode esquecer que está festa exige que se faça muitas esmolas e caridades.

Para encerrar
Se vai copiar uma festa religiosa, pelo menos copie de uma nação (religião) que o próprio Deus deu como referência.

Agora, entendendo um pouco mais sobre a Festa da Dedicação, podemos celebrá-la alegremente nosso culto de Ação de Graças

1 Tessalonicenses, 3:9 - Pois, que ação de graças podemos render a Deus por vós, por todo o gozo com que nos regozijamos por vossa causa diante do nosso Deus,

Hag Hanuká Sameach! Feliz Festa de Hanuká!

20 Razões porque batizamos em nome de Jesus!


20 Razões porque batizamos em nome de Jesus!


1º: Porque a ordem de Jesus é em nome (Mt. 28.19).

2º: Porque a remissão dos pecados é em Seu nome (Lc. 24.47).

3º: Porque tudo deve ser feito em Seu nome (Cl. 3. 17)

4º: Porque Pedro, cheio do Espírito Santo, ensinou o batismo em nome de Jesus (At 2.4, 38).

5º: Porque não há salvação em outro nome (At 4.12)

6º: Porque os samaritanos também foram batizados em nome de Jesus (At 8.12, 16).

7º: Porque os gentios também foram batizados em nome de Jesus (At. 10.44-48)

8º: Porque Paulo foi batizado em nome do Senhor Jesus (At. 22.12-16)

9º: Porque Paulo batizou os discípulos de João Batista em nome de Jesus (At. 19. 3-5).

10º: Porque Paulo disse que se pregassem outra doutrina além dessa seria anátema (Gl 1.8)

11º: Porque o nome de Jesus está sobre todos os nomes (Fp. 2.9).

12º: Porque na bíblia todos novos convertidos foram batizados em nome do Senhor Jesus Cristo

13º: Porque a doutrina que batiza nos títulos teve o seu início no ano 381 d.C.

14º: Porque o mesmo Mateus que escreveu Mt. 28.19, concordou com Pedro (Leia At. 2.14,38).

15º: Porque existe apenas um só batismo bíblico e não encontramos ninguém batizado nos títulos (Ef. 4.5).

16º: Porque a igreja deve estar edificada na doutrina dos apóstolos (Ef. 2.20).

17º: Porque todas famílias nos céus e na terra tomam seu nome (Ef. 3.15).

18º: Porque João confirma que só através do nome há remissão de pecados (1 Jo. 2.12)

19º: Porque Deus escolheu um povo para o Seu nome (At. 15.14)

20º: Porque repetir a ordem não é o mesmo que obedecer.

(Obs: Caro (a) amigo (a), se o ministro ao te batizar repete os títulos pai, filho, e espírito santo, ele está somente repetindo a ordem e não obedecendo) (1 Sm 15.22)



Igreja Apostólica do Brasil
www.osapostolicos.blogspot.com.br

Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta


Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta

O Homem foi criado no sexto dia: E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem.....E viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. E foi a tarde e a manhã, o dia sexto. Gênesis 1.26-31

Vendo isso o número do homem é o 6 sendo assim o número da besta é o NÚMERO DE UM HOMEM 
"Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis". Apocalipse 13.18

Entendendo que o número do homem é seis fica facil entender o CALCULAR o para saber o número da besta
666+tres homens= três pesssoas da trindade

Resumindo a trindade é a besta mencionada no Apocalipse, confira: "E da boca do dragão, e da boca da besta, e da boca do falso profeta, vi saírem TRÊS espíritos imundos, semelhantes a rãs". Apocalipse 16.13

Verdadeiros missionários (Gosto de lembrar)



Apostolo J.B. Lambeth

J.B. Lambeth nasceu em Kilgore - Texas no dia 13 de Agosto de 1934, sendo criado

nos primeiros anos de vida na Primeira Igreja Pentecostal de Kilgore. Filho de
Cleveland Lambeth e de Lottie Lambeth. Ele foi batizado em 1942 em nome de Jesus
Cristo pelo Pastor Taylor Ford, dirigente do Conselho Central do Sul e da Editora
Pentecostal da P.A.J.C situada na cidade de Kilgore - Texas, recebeu o Dom do
Espírito Santo em 12 de Outubro de 1946, durante uma campanha evangelística
da irmã N. Freeman. O Irmão Elder A.W. Buie foi seu pastor e conselheiro por oito
anos. J.B. Lambeth estudou no Colégio Apostólico de Tulsa - Oklahoma e no Instituto
Bíblico Apostólico em St. Paul - Minessota. Depois de ter se graduado, trabalhou em
vários colégios e universidades por todo o mundo.

Wanda Louise Mason, filha de James Winford Mason e Rena Kathrine Mason,

recebeu o Espírito Santo sob o ministério dos Evangelistas Charlotte e Nila. Ela foi
educada na Igreja Batista, o Irmão A.W. Buie a batizou em nome de Jesus em Janeiro
de 1949, e foi seu Pastor até seu casamento com J.B. Lambeth, eles se casaram no
dia 25 de Janeiro de 1952.

O casal estabeleceu igrejas, antes de ir para o Brasil, nas cidades de Beckville,

Tatum e Longview - Texas. Eles solicitaram sua ida para a África, mas o país em
que eles desejavam trabalhar, não aceitava missionários. J.B. aceitou ajudar a obra
no Brasil, e depois de um período cinco anos, sentiram que o Brasil era verdadeiramente
seu campo de trabalho, seu chamado.

J.B, Wanda L, e John Bradley Lambeth chegaram ao Brasil em 20 de Abril de 1960.

O vôo que partiu de Houston, Texas, chegava em Porto Alegre – RS no Brasil a meia
noite. Não havia ninguém para encontra a família Lambeth, e em seu desespero, tendo
uma pequena criança faminta de apenas 18 meses, e não sabendo se comunicar por
causa da diferença de idiomas, eles começaram a orar. A única pessoa que falava inglês
no aeroporto era um jovem que trabalhava na torre de controle. O Senhor estendeu suas
mãos de encorajamento e misericórdia. O jovem desconhecido arranjou um táxi para
eles e instruiu o taxista para encontrar um hotel para eles, mas os hotéis estavam todos
lotados por causa de um jogo de futebol que estava acontecendo na cidade e os hotéis
não aceitavam como pagamento, moeda estrangeira. Depois de duas horas dirigindo e
perguntando, finalmente um local foi encontrado. Os Lambeths agradeceram a Deus
pelo Hotel Cidade que abriu suas portas. Este hotel ainda existe no centro da cidade.

Eles foram para o Brasil para ajudar a família do irmão Samuel Baker, que tinha sido

treinada na capital do Uruguai. O Consulado Americano os ajudou a entrar em contato
com os Bakers. Este foi o inicio de uma sociedade que introduziu o movimento do nome
de Jesus no país. A mensagem do novo nascimento estava crescendo, e para o seu
conhecimento, nunca tinha sido pregada antes no Brasil, mas aquele pequeno começo,
tornou-se um numero de milhares. Agora, ha muitas mini-organizações, grupos de
denominação tradicional, e movimentos independentes através do país, mas eles todos
são originados do esforço deles. Os Bakers, durante um período de seis meses
ajudaram os Lambeths a estudar a língua portuguesa e com suas acomodações.

Os Lambeths então se mudaram para São Paulo. No Rio Grande do Sul, dois anos se

passaram antes que houvesse uma simples conversão. Isto foi uma experiência
desencorajadora para os Lambeth's. Visitações porta a porta, continuaram. Então um
casal em Vila Mathias Velho - Canoas, manifestou interesse na mensagem do nome de
Jesus, e logo após eles estavam entre os primeiros para serem batizados em nome de
Jesus sob a tutela dos Lambeths. A irmã contraiu câncer, e muitas orações foram feitas
por sua cura e salvação; mas ela não recebeu o batismo com o Espírito Santo. Mas, no
dia do seu enterro, no culto do funeral, seu marido e outros 20 foram cheios do Espírito
Santo. O fogo do avivamento espalhou-se naquele culto do funeral e atravessou
montanhas e vales no sul do Brasil, e dezessete igrejas nasceram desse resultado.

Pontos de Pregação foram estabelecidos em fazendas, em cabanas embaixo de arvores,

casas e salas em dezessete cidades. Foi durante este período que as oposições vieram
com mais forca, Noemi uma garota de dezoito anos, que tinha acabado de receber o
Espírito Santo, foi martirizada por um forte ativista católico. Havia homens e mulheres
dedicados que deram suas vidas a serviço do Rei durante aqueles anos, e a igreja
apostólica ainda relembra estes soldados da cruz como heróis. Um grande terreno foi
comprado, um seminário bíblico foi instituído, um salão no centro da cidade foi alugado
na rua de Lima e Silva, e pela primeira vez no país, um programa de radio foi iniciado
para propagar a mensagem de um Jesus único.

No ano de 1965, eles voltaram para os USA para ajudar os projetos de Missões nos

estados do Texas, Nebraska e Iowa. Os Lambeths voltaram para o Brasil em Abril
de 1969, e um programa nacional independente foi inaugurado e como resultado
igrejas começaram a crescer, foram iniciados trabalhos em oito estados e dois paises
próximos na América do Sul. O trabalho na área de São Paulo, o qual havia sido
iniciado pela família C.F. Williams, foi doado a igreja Apostólica do Brasil.
Os Lambeths nunca tinham planejado trabalhar for a do estado do RS, ou expandir
alem dos limites do Sul do Brasil, mas com este novo desafio, eles se esforçaram
para iniciar igreja e pontos de pregação em cidades onde ainda não havia sido
pregado o evangelho. Dois grandes prédios tinham sido levantados em são Paulo,
em áreas onde há pouco tempo atrás não existia a Igreja apostólica. Vilso de Lima
era o supervisor da região Central, e o crescimento foi fenomenal. Então foram
feitos esforços para levar adiante o trabalho no Norte e Nordeste do país. O estado
da Bahia, que já tinha tido um bom começo foi especialmente abençoada e ungida,
apesar das severas condições de pobreza, começaram a promover projetos que
ajudariam a erguer muitos outros prédios que eles precisavam. O avivamento veio e
obreiros foram treinados. Existem igrejas no estado com mais de 250 membros.
A igreja central no estado de Pernambuco, sete dias de ônibus, é também muito grande
com mais de 200 membros. O pastor sofreu um acidente muito anos atrás que o deixou
um pouco debilitado, seus joelhos não dobravam, e então quando ele viajava, suas
pernas ficavam em uma péssima posição. Suas igrejas, mesmo com uma grande
distancia da Matriz nacional e de sua influencia, tem um dos mais altos padrões de
santidade da Igreja Apostólica do Brasil. Há também um bom e forte trabalho no
estado de Alagoas.

O colégio apostólico e a universidade Nova Vida foi fundada e programas de graduação

em artes liberais foram estabelecidos. Há também ramificações destas escolas no estado
de São Paulo e Santa Catarina. O Senhor tem abençoado A.C.B. com mais de 200 igrejas
e pontos de pregação ligados à igreja matriz situada na cidade de Esteio, estado do Rio
Grande do Sul.

A igreja matriz foi construída em 2 quarteirões, próximo da BR 118 que liga o Sul com a

região Central do Brasil. A igreja tinha a opção de comprar a propriedades vizinhas para
futuras expansões. O prédio pode acomodar duas mil pessoas sentadas, e foi avaliada,
por um empresa de seguros em um valor de 2,5 milhões de dólares. John Bradley e
Robert Cleveland são membros do quadro de diretores. Rev. Dr. John Bradley
Lambeth é o Presidente Nacional e o Irmão J.B. Lambeth, Fundador e Presidente
do Conselho Missionário.

As igrejas Apostólicas do Brasil patrocinam Seminários de Estudos Ministeriais,

programas de treinamento para adultos, duas convenções anuais para jovens, um retiro
Nacional para Irmãs, um Projeto de um Circuito Ministerial, e uma Escola de Musica.
O Departamento de Evangelismo é avançado, e através de seus esforços, numerosas
igrejas são iniciadas a cada ano, assim como prédios e capelas também são construídas
para a Gloria de Deus.

No dia 16 de dezembro de 2000, veio o reconhecimento oficial: O Bispo J.B. Lambeth

foi agraciado pela Câmara Municipal de Vereadores, com o Titulo de Cidadão
Benemérito de Esteio, cidade sede da Igreja Apostólica do Brasil, situada na região
metropolitana de Porto Alegre. Honraria, por sinal bem merecida

Honras para o Apostolo J.B. Lambeth.